...
 
Recorte da fachada interna da Fundação mostrando jardineiras floridas, parte da escadaria de entrada
Imagem do jardim de entrada da Fundação Josué Montello

NOSSA HISTÓRIA

A Fundação Josué Montello  é uma instituição de direito privado, constituída em 11 de setembro de 1996, através da dotação de bens livres de professores e  de profissionais do Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão HU-UFMA e de cidadãos  da comunidade  maranhense  interessados na melhoria do funcionamento do complexo HU-UFMA.

NOSSA VISÃO

Buscando alcançar seus objetivos estatutários, a Fundação Josué Montello vem direcionando a sua atuação para capacitação de recursos através de parcerias com os Municípios, Governo do Estado, Governo Federal, Empresas Privadas e outros, para gerenciamento, gestão de projetos e de Unidades de Saúde, buscando os recursos necessários para o cumprimento de sua razão existencial, que é o de apoiar o HU-UFMA.

NOSSA MISSÃO

Apoiar as ações de ensino, pesquisa e extensão, desenvolvimento institucional e de assistência do Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão, além de organizar e prestar serviços a órgãos ou entidades públicas e privadas, com ações nas áreas de: administração, assistência social, ciência e tecnologia, educação, meio ambiente, planejamento, saúde, segurança, tecnologia da informação, dentre outros, contribuindo com a promoção do desenvolvimento do estado do Maranhão.

NOSSOS VALORES

Respeito ao ser humano e aos seus direitos; Compromisso com sua função social; Ética nas relações pessoais, profissionais e institucionais.

Nosso Patrono

Josué Montello (J. de Souza M.), jornalista, professor, romancista, cronista, ensaísta, historiador, orador, teatrólogo e memorialista, nasceu em São Luís do Maranhão a 21 de agosto de 1917, onde passou sua infância e juventude.

 

No começo de 1936, mudou-se para Belém, dali saindo com destino ao Rio de Janeiro, em dezembro do mesmo ano. Filho de Antônio Bernardo Montello, de origem italiana, e de Mância de Souza Montello, de origem portuguesa.

 

Residindo no Rio de Janeiro desde dezembro de 1936, Josué Montello considerava-se um homem de sua Província, com a marca da terra e dos hábitos do Maranhão. Morou também no Peru de 1953 a 1955, como Catedrático Honorário da Universidade Maior de São Marcos, de Lima; em Portugal, em 1957, a convite do Itamaraty, regeu a Cátedra de Estudos de Lisboa, na Faculdade de Letras; em Madri, em 1957, como professor de Cátedra de Estudos Brasileiros pelo Itamaraty; em Paris como Conselheiro Cultural da Embaixada do Brasil de 1968 a 1970. De 1985 a 1989 exerceu o cargo de Embaixador do Brasil junto à UNESCO, em Paris, sempre retornando a São Luís nas suas vindas ao Brasil. Quase toda sua obra literária traz a marca da inspiração e da cultura maranhense.

 

Foi agraciado com 12 prêmios literários, um Fardão de Imortal da Academia Brasileira de Letras, no dia 4 de julho de 1955, ocupando a cadeira nº. 29, fundada por Arthur Azevedo e que tem como patrono Martins Pena. Foi recepcionado por Viriato Corrêa. Membro da Academia Maranhense de Letras desde 1948 e sócio honorário do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão.

Acumulou uma coleção de títulos e funções entre eles o de Reitor da Universidade Federal do Maranhão. Foi considerado um clássico de nossa literatura com muitos livros traduzidos no exterior, bem como versões cinematográficas de duas de suas novelas.

 

A obra literária de Josué Montello eleva-se a 160 títulos em vários gêneros, entre eles: romances, ensaios, crônicas, história, história literária, discursos, antologias, educação, novelas, teatro, biblioteconomia, literatura infantil e juvenil, memórias, prefácios, edições para cegos e cinema. Foi colaborador do Jornal do Brasil e também da Revista Manchete.


Ocupou o cargo de presidente da Academia Brasileira de Letras, eleito em 09 de dezembro de 1993, onde tomou posse no dia 16 de dezembro permanecendo até dezembro de 1995.

 

Faleceu em 15 de março de 2006, aos 88 anos no Rio de Janeiro, onde vivia. Seu corpo está enterrado no cemitério São João Batista, naquela capital.

 

 

*Com informações da Casa de Cultura Josué Montello

Escritor Josué Montello em foto preto e branca trajando o fardão da Academia Brasileira de Letras